Logotipo Olho no Carro

O nome Volvo C40 Recharge já deixa claro com quem ele possui relação direta dentro do portfólio da marca. Trata-se de mais um produto montado sobre a plataforma CMA (Compact Modular Architecture, ou Arquitetura Modular Compacta), assim como o XC40.

A grande diferença é que o C40 foi pensado, desde o início, para ser um carro unicamente elétrico, diferente do XC40 que nasceu como um modelo movido somente a combustão, e que ganhou uma versão elétrica com o passar dos anos.

Carro elétrico apresentado há pouco mais de um ano, o Volvo C40 Recharge é o alvo da nossa avaliação de uma semana, feita em parceria com o canal Volta Rápida.

Outro ponto que faz do C40 um carro muito importante para a Volvo é o pioneirismo: além de ser o primeiro modelo de produção da marca pensado para ser totalmente elétrico, também é o seu primeiro SUV-coupé.

Isso representa uma inesperada e bem-vinda quebra de paradigmas para uma empresa acostumada a desenhos mais sisudos, focados unicamente na elegância.

Modelo inédito na gama da fabricante o Volvo C40 Recharge foi lançado em versão única pelo preço de R$ 419.950.

Estes temas podem te interessar:

Importado, o Volvo C40 Recharge garante bom desempenho do motor:

O que há embaixo do capô do Volvo C40 Recharge.

Nesse primeiro momento, o C40 é importado da Bélgica em versão única e com apenas uma motorização. É a configuração mais equipada de todas, dotada do conjunto elétrico que estreou no XC40 que testamos há alguns meses.

Chamado de P8 pela Volvo, esse conjunto é composto por dois motores elétricos gêmeos, sendo um para cada eixo, totalizando 408 cv de potência e 67,3 kgfm de torque.

Futuramente, a Volvo trará uma versão menos potente, de motor único e números mais modestos, visando um preço mais competitivo.

Devido a essa configuração atual, a tração é permanente nas quatro rodas e o C40 consegue ir de 0 a 100km/h em 4,7 segundos, o que faz dele o Volvo de fábrica mais rápido do Brasil, agora que o S60 Polestar Engineered deixou de ser vendido oficialmente por aqui.

A bateria de 78 kWh garante uma autonomia total de até 444 km com a carga completa, uma distância maior do que a prometida pelo XC40 devido ao menor arrasto aerodinâmico promovido pela carroceria mais esguia.

Volvo C40 Recharge faz bonito na boa aplicação de tecnologia e recursos de segurança!

Imagem representativa da central multimídia do Volvo C40 Recharge.

O Volvo C40 Recharge esbanja tecnologia embarcada e traz até alguns recursos inéditos para os carros da Volvo.

A extensa lista de equipamentos engloba itens como:
  • Bancos dianteiros com ajustes elétricos e extensores para as pernas;
  • Central multimídia com conexão 4G nativa e serviços integrados;
  • Rodas de 20 polegadas com acabamento diamantado;
  • Interior com detalhes em alumínio e iluminação ambiente;
  • Porta-malas com acionamento totalmente elétrico;
  • Ar-condicionado digital de duas zonas;
  • Sistema de som Harman Kardon com 13 alto-falantes.
Como era de se esperar, ele também traz todo o “arsenal” de recursos de segurança da Volvo, que engloba:
  • Piloto automático adaptativo;
  • Leitor de placas de trânsito;
  • Assistente de permanência em faixa com correção de direção;
  • Frenagem automática de emergência;
  • Monitoramento de tráfego cruzado;
  • Câmeras em 360º;
  • Sensores dianteiros, laterais e traseiros de estacionamento;
  • Retrovisores externos fotocrômicos.

Por fim, o C40 estreia o teto panorâmico em vidro fixo projetado para bloquear 80% da radiação solar e 90% da incidência de luz direta, além dos avançadíssimos faróis Pixel LED direcionais, que seccionam o feixe de luz alta para não ofuscar os carros à frente, mantendo a iluminação no restante da via.

C40 mantém grande parte do design interior do XC40, mas ainda assim rompe conceitos:

Design interior do SUV-coupé da Volvo.

Por dentro, o C40 é praticamente idêntico ao XC40, exceto por alguns detalhes, como a iluminação ambiente decorativa, que representa a topografia do Parque Nacional de Abisko, na Suécia, adornando as portas dianteiras e o painel.

Ele também inova por trazer uma cabine 100% livre de couro: em seu lugar, há o composto sintético Microtech, Alcantara e um carpete feito de materiais reciclados que pode vir na cor carvão ou em azul fjord, mesma tonalidade presente na carroceria do nosso carro de teste, tudo sem custo extra para o comprador.

No mais, há um painel de instrumentos 100% digital, que exibe o mapa da região em tempo real, muitas porções em material emborrachado, até nas portas traseiras, e partes plásticas de boa aparência e textura.

Além disso, ele conta com mescla de detalhes cromados e em preto brilhante, luzes de cortesia em LED sensíveis ao toque, tudo para criar uma ambientação digna de um veículo de quase meio milhão de reais.

O banco do motorista conta com duas posições de memória e há saídas de ar-condicionado para os passageiros da segunda fila, além de quatro portas USB do tipo C, sendo duas para cada fila de assentos.

Esse modelo fornece uma experiência que rompe conceitos a todo momento. Ao destravar o carro, caso o ambiente esteja escuro, lanternas e faróis realizam animações luminosas como forma de dar um pequeno show tecnológico e realizar um check-up inicial dos sistemas.

Realizar a partida é outro ponto inusitado: assim como no XC40 elétrico, basta estar com a chave dentro do veículo e, com o pé no freio, mover a alavanca eletrônica de câmbio para R ou D.

O freio de estacionamento é desativado automaticamente, a tela do GPS é exibida no painel de instrumentos e a palavra READY (pronto) em verde indica que o veículo está ligado e pronto para ser conduzido.

Confortável e ágil, Volvo C40 Recharge faz o condutor esquecer a falta de barulho do motor!

Bancos da frente do Volvo C40 Recharge.

Por falar em condução, rodamos pouco mais de 500 km ao longo dos sete dias em que ficamos com o Volvo C40 Recharge e foi uma incrível oportunidade de lembrar como carros elétricos conseguem ser divertidos.

Muitas pessoas ainda torcem o nariz para o fato da ausência de ronco do motor, mas acredite: não dá para sentir falta disso, ainda mais quando falamos de um modelo que acelera de forma tão brutal quanto o C40 e seu conjunto P8.

Para se ter uma ideia, seu tempo de 0 a 100km/h é, praticamente, o mesmo de um Porsche 718 Cayman T, um veículo legitimamente esportivo que possui números mais modestos, mas que pesa cerca de 800 kg a menos.

Considere que o C40 não foi feito com pretensões esportivas e assim você terá uma noção do quanto o veículo da marca sueca consegue andar forte. O fato de não haver uma caixa de marchas entre os motores e as rodas ajuda muito no desempenho.

De fato, mesmo não tendo esse tópico como prioridade, o C40 tem bom desempenho e ganha velocidade com uma rapidez extrema, seja em linha reta ou em curvas. Uma retomada de 50 km/h para 120 km/h, por exemplo, pode ser feita em 3 segundos.

Além da tração permanente nas quatro rodas, os pneus Pirelli P Zero e o banco de bateria no assoalho fornecem os elementos para que o sueco faça curvas de um jeito que poucos SUVs podem fazer igual.

Isso não significa que as coisas no novato sueco sejam só alegrias. A suspensão é mais dura do que a de um carro premium, o que pode até ser relevado dado seu peso e performance, mas que incomoda em ruas ou estradas em más condições.

As sucessivas mensagens falsas de erros variados também foram desagradáveis, pois causaram preocupações desnecessárias, uma vez que não notamos qualquer falha ou comportamento anormal do carro em si.

Apesar da boa autonomia, o C40 Recharge ainda não é um carro elétrico ideal para longas viagens:

Foto do carregador do SUV-coupé elétrico da Volvo.

Outro ponto que o possível comprador do C40 precisa ter muita atenção é a rede de recargas, ainda muito limitada fora dos grandes centros urbanos. Embora a autonomia total seja boa, quem pretende usar mais o carro e/ou precisa viajar com mais frequência talvez se sinta melhor a bordo de um híbrido convencional.

Por hora, o C40 é mais indicado para quem não pensa em sair da cidade, mas a situação pretende mudar em um futuro a médio prazo, pois várias empresas já têm promovido a instalação de pontos de recarga desse tipo de veículo por todo o Brasil.

Para finalizar, podemos resumir a experiência com o C40 em uma palavra: chocante.

Pode parecer um trocadilho inevitável, mas é o sentimento que melhor expressa a semana que tivemos com ele.

Atraindo olhares por onde passa, o SUV-coupé sueco traz soluções que a Volvo adotará em lançamentos futuros e coloca a marca definitivamente no radar dos elétricos, combinando o desempenho excepcional a uma boa autonomia total, muita tecnologia embarcada e o nível de segurança que a Volvo faz questão de manter o mais alto possível.

Quer saber ainda mais sobre o Volvo C40 Recharge? Assista o vídeo abaixo!