A atual geração do Toyota SW4 SRX fez sua estreia em 2016 e marcou uma mudança da água para o vinho em diversos aspectos do modelo que, no facelift apresentado em 2020 para a linha 2021, realçou ainda mais essas diferenças.

O SUV de médio-grande porte foi cedido pela Toyota do Brasil e é alvo da nossa avaliação de uma semana, em parceria com o canal Volta Rápida.

Apesar de os SUVs estarem mais em evidência do que nunca no mercado global, há uma certa crítica muito recorrente, que pode ser encarada de duas formas bem distintas: os SUVs não são mais o que eram!

De um lado, isso significa que os utilitários de hoje estão mais confortáveis, eficientes e tecnológicos do que antes.

Já a queixa do público é direcionada à capacidade de andar sobre qualquer terreno, que grande parte dos SUVs de hoje não oferece, já que são inteiramente voltados para o uso no asfalto.

Mas é possível encontrar SUVs no mercado dos zero km com a mesma robustez e versatilidade de uso dos clássicos de décadas atrás, sem abrir mão da modernidade e conforto dos modelos atuais, como é o caso do Toyota SW4 SRX.

Está querendo comprar um SUV usado?

Fuja de problemas! Consulte o histórico do veículo antes de fechar negócio.

Imagem de um botão verde escrito: clique aqui e veja como é fácil consultar o histórico de um veículo!

O facelift da Toyota SW4 SRX trouxe boas novidades para o modelo!

Externamente, o Toyota SW4 recebeu um novo para-choque frontal com porções maiores em preto brilhante, nova grade central e um conjunto ótico completamente remodelado, composto por LEDs.

Nas laterais e atrás, as únicas alterações são as novas rodas e lanternas quase totalmente em LEDs.

Tecnologicamente, o SW4 na versão SRX recebeu sistema de som da JBL com nove alto-falantes (incluindo um subwoofer) e alguns recursos do pacote Safety Sense, como:

  • Piloto automático adaptativo;
  • Assistente de permanência em faixa com correção ativa de direção;
  • Frenagem autônoma de emergência;
  • Central multimídia com tela de 8”;
  • GPS nativo e espelhamento para smartphones via cabo.
Foto do capô aberto mostrando o motor do Toyota SW4 SRX.

Também há boas novidades debaixo do capô. O motor 2.8 turbodiesel, de quatro cilindros em linha, ficou mais potente e agora entrega até 204 cv e 50,9 kgfm de potência e torque máximos, o que são 27 cv e 5 kgfm a mais do que nos modelos pré-facelift.  

Ele também passou a ser a única opção de motorização para o Toyota SW4 SRX, devido à retirada definitiva das versões flex na linha 2022. Nossa média geral de consumo ficou na casa dos 12,5 km/l.

O que não mudou foi o sistema de tração integral seletiva, do tipo 4WD, que atua normalmente fornecendo tração apenas para as rodas traseiras. Porém, o motorista pode escolher tração nas quatro rodas o tempo inteiro ou tração reduzida através de um seletor giratório.

A transmissão também não mudou, já que a fabricante manteve o mesmo automático convencional de seis marchas que equipa o SUV desde sempre.

A Toyota melhorou a lista de itens da SW4 SRX, mas ainda perde contra concorrentes do mesmo preço!

Foto da central multimídia do Toyota SW4 SRX.

Tabelada atualmente em R$ 390.790, a versão SRX, que sempre ocupou o topo da gama do SW4, agora passou a ser a variante mais barata do utilitário, posicionada abaixo da intermediária Diamond e da top GR-S.

Ela pode ser comprada com cinco ou sete lugares e traz uma lista de itens de série que contempla recursos como:

  • Faróis Full LED com ajuste automático de altura;
  • Ar-condicionado digital com ajuste de ventilação para a traseira;
  • Bancos dianteiros com ajustes elétricos e ventilação;
  • Sensores dianteiros e traseiros de estacionamento;
  • Rodas aro 18 com pneus de uso misto;
  • Câmera de ré;
  • Sete airbags;
  • Volante multifuncional com paddle-shifters.

Para a linha 2022, a SRX recebeu boas novidades como:

  • Ar-condicionado de duas zonas;
  • Sistema de câmeras com visão em 360º;
  • Monitoramento de pontos cegos e de tráfego cruzado na traseira;
  • Detecção de pedestres e ciclistas pelo sistema de frenagem autônoma de emergência.

Com eles, a lista equipamentos de série do SW4 melhorou consideravelmente em relação às variantes mais antigas, mas ainda é insuficiente diante de outros modelos da sua faixa de preço e até alguns mais baratos.

Sentimos falta do espelhamento sem fio para smartphones, memória para o banco do motorista, teto solar (ainda que fosse um mero opcional) e outros recursos.

A Toyota SW4 SRX é imponente por fora, mas fica devendo no acabamento interno

Foto dos detalhes no acabamento do SUV da Toyota.

Rodamos cerca de 500 km ao longo dos sete dias de testes com o Toyota SW4 SRX e, logo de cara, o SUV impressiona por seu porte.

Com 1,83 m de altura e 4,79 m de comprimento, ele é grandalhão e impõe sua presença por onde passa, atraindo olhares.

Todo esse tamanho é interessante no uso rodoviário ou em lugares pouco movimentados, mas se mostra muito inconveniente no tumultuado uso urbano, já que é difícil acomodá-lo de maneira apropriada nas vagas padrão da maioria dos estacionamentos.

Ele sempre acaba pegando alguma das faixas laterais ou ficando com parte da traseira no caminho dos outros carros.

Enquanto o SW4 passa uma ótima impressão por fora graças ao porte e ao design muito bem resolvido, o mesmo não pode ser dito do interior

A cabine até chega a ser bem montada e confortável, mas o aspecto geral é simples e o acabamento não condiz com um veículo que beira os 400 mil reais.

Há muitas superfícies em plástico rígido de aparência barata, alguns enxertos em couro que tentam quebrar essa impressão, detalhes em plástico fosco imitando madeira no topo do volante e console central, apliques prateados e em preto brilhante em locais diversos e, por fim, iluminação azul dos botões com luzes de salão em LEDs.

Não é um ambiente feio, mas deveria ser muito melhor, dado o preço do modelo.

Foto do volante e do painel do Toyota SW4 SRX.

O modelo tem características brutas para a cidade, mas entrega muita capacidade de andar em diferentes terrenos!

Ao volante, o SW4 revela um dos principais motivos de conseguir se manter em segundo lugar nos rankings mensais de vendas da sua categoria.

De modo geral, seu comportamento é abrutalhado e sem muito refinamento, com reações lentas e uma direção um tanto indireta.

Em contrapartida, ele deixa bem clara sua capacidade de andar em qualquer lugar e os obstáculos ou defeitos da pista, que causariam pancadas desagradáveis em um carro normal, quase não são sentidos ao volante do utilitário.

Vale lembrar que o SW4 é um dos pouquíssimos SUVs do mercado que ainda são construídos sobre um chassi por longarinas, o que ajuda a explicar sua personalidade rústica.

Além da tração seletiva, há a opção do bloqueio eletrônico do diferencial traseiro, ou seja, não faltam recursos para quem deseja fugir do asfalto esporadicamente.

Também ajudam na missão os ótimos ângulos de entrada (29º) e saída (25º), bem como o grande vão livre do solo de 28cm – em SUVs compactos e médios, esse vão fica entre 16 cm e 23 cm no máximo.

O Toyota SW4 SRX se destaca pela boa resposta do motor, conforto e bom espaço interno

Foto da terceira fila de bancos do SUV.

As atualizações no motor deixaram o utilitário japonês com mais disposição e uma condução bastante agradável, pois há força de sobra em todas as circunstâncias, independentemente de o carro estar cheio ou apenas com o motorista.

Um câmbio com mais marchas cairia melhor, mas a caixa de seis velocidades cumpre seu papel com decência e ainda permite trocas manuais pelos paddle-shifters no volante ou na própria alavanca.

Além disso, ela permite mudar seu comportamento através dos modos Eco, Normal e Sport selecionáveis por botões perto da alavanca da transmissão.

Por dentro, as acomodações são boas e o SW4 oferece espaço de sobra para cinco adultos acomodados nas duas primeiras filas

Já a turma do fundão até consegue se sentar com certo conforto graças às saídas de ar no teto e a possibilidade da segunda fila ser deslocada para a frente, mas ainda é melhor dedicar a terceira fila de bancos às crianças.

Ainda assim, são lugares melhores do que no Jeep Commander, por exemplo, que também já avaliamos há alguns meses. É uma pena que a conveniência não seja melhor pela ausência quase total de portas USB, pois a única existente em todo o carro está lá na frente, no console central.

No geral o SW4 é bom, mas seria ainda melhor se tivesse um preço menor!

Se pudéssemos resumir tudo o que achamos do SW4 em um pensamento, seria esse: é um produto interessante que tem potencial de agradar e é um alento aos que sentem falta dos “SUVs de verdade”.

Mas só faz sentido nos dias de hoje se o possível comprador precisar muito dos sete lugares para acomodar adultos em todos.

Se for para levar crianças nos fundos, há opções bem mais em conta e mais interessantes em basicamente todos os aspectos que você possa analisar.

É verdade que o SW4 junta qualidades diversificadas em um único pacote, mas no geral, ele passa a sensação de não conseguir justificar o preço pedido atualmente.

Até mesmo o fato de contar com tração seletiva e motorização diesel já deixaram de ser vantagens exclusivas do SUV nipônico, pois nessa faixa de preço, já é possível comprar modelos parecidos com motorização híbrida, muito mais econômicos e com melhor desempenho.

Inclusive, algumas opções oferecerem sistemas muito parecidos de tração que os fazem tão capazes quanto o SW4.

Apesar de tudo isso, uma coisa é certa: a Toyota sabe o que faz, pois o grandalhão mantém um ritmo de vendas superior ao de inúmeros veículos mais baratos.

Veja mais sobre o Toyota SW4 SRX no vídeo abaixo: