Logotipo Olho no Carro

Confira o teste de uma semana com o novo Hyundai Creta 2022!

Os carros modernos estão mais seguros, eficientes e tecnológicos do que nunca, mas parece terem perdido a personalidade própria. O conceito de identidade visual, embora sempre tenha existido, parece ganhar mais força a cada ano que passa e se traduz em modelos cada vez mais parecidos entre si, não apenas dentro da própria marca como, em alguns casos, até mesmo entre empresas rivais.

Não é de hoje que os consumidores percebem tais semelhanças e expressam seu descontentamento nas mídias digitais, ávidos por produtos que se diferenciem de alguma forma e, com isso, consigam expressar algum traço de individualidade.

A Hyundai parece ter ouvido tais queixas e tem se dedicado a apresentar novidades radicalmente diferentes em todo o mundo, dotadas de linhas inusitadas ou até mesmo estranhas para muitos.
Imagem representativa do Hyundai Creta 2022, um carro modelo SUV.

No Brasil, o primeiro carro dessa ‘nova safra’ foi o novo HB20 lançado no fim de 2019. O segundo foi o novo Creta, apresentado no ano passado, e que foi cedido gentilmente pela fabricante aos nossos parceiros do Volta Rápida para a avaliação padrão de uma semana.

A configuração cedida foi a Platinum, a intermediária da linha e a mais cara com o novo motor 1.0 turbo, tabelada atualmente em R$ 149.490.

Vai comprar um SUV usado ou seminovo?

Garanta sua segurança durante a negociação! Consulte o histórico do veículo antes de comprá-lo!

Creta acerta em trazer design que foge do comum, mas causa estranheza em alguns clientes!

O Creta foi lançado no Brasil no final de 2016 e trouxe linhas bastante comportadas: não chamava atenção e chegava a ser considerado ‘careta’ por alguns.

Chegou apenas com motores naturalmente aspirados e um pacote de itens minimamente bom, sem firulas, o que era o suficiente para garantir uma vida tranquila longe das posições mais altas nos rankings de vendas.

Acontece que a Hyundai mira na liderança e, por isso, o Creta mudou profundamente para enfrentar a concorrência do nível mais alto.

Assim como foi com o novo HB20, o novo Creta deu o que falar em seu lançamento, causando reações explosivas de todos os tipos diante de um desenho tão ‘singular’, diferente dos outros carros da marca, dos rivais e sem semelhanças com a geração anterior.

Imagem representativa do carro Hyundai Creta 2022.

Faróis e lanternas trazem sobreposições recortadas na cor da carroceria, assinatura luminosa em LED, muitos vincos pela lataria e, no caso da versão Platinum, detalhes prateados e cromados o fazem parecer estar um nível acima dos rivais.

A nova geração do SUV compacto ficou mais leve e recebeu motor 1.0:

Mecanicamente, o Hyundai Creta 2022 manteve a plataforma do Elantra. No entanto, o SUV teve seu peso reduzido em 100 quilos, sendo possível assim abandonar o motor 1.6 aspirado pelo motor 1.0 turbo, lançado na nova geração do HB20.

Imagem representativa do motor do carro Hyundai Creta 2022.

Chamado de TGDi, sigla para Turbo Gasoline Direct Injection, esse motor 1.0 é flex e conta com três cilindros e quatro válvulas por cilindro, sendo capaz de gerar até 120 cv de potência e 17,5 kgfm de torque, independentemente do combustível utilizado.

Leia mais: Potência do motor: como funciona

Comparado ao antigo 1.6 aspirado, são 10 cv de pico de potência a menos e 1 kgfm de pico de torque a mais.

O câmbio continua sendo o automático convencional de seis marchas, que permite trocas manuais na alavanca ou nos paddle-shifters atrás do volante.

Analisando apenas os números, a troca de motores pode parecer um retrocesso. Mas é importante lembrar que a sobrealimentação do 1.0 o faz entregar todo seu torque já aos 1.500 rpm, enquanto o bloco aspirado só entrega seu pico de força a partir dos 4.500 rpm.

Colocando na prática, isso significa que o novo Creta ficou com um funcionamento mais inteligente e desenvolto, realizando retomadas mais rápidas e se conduzindo de maneira bem mais agradável de um modo geral, principalmente em percursos urbanos.

Interior tem jeito de carro premium, mas a fabricante abusa no uso de plástico:

Foto do interior do carro Hyundai Creta 2022.

A cabine do Hyundai Creta 2022, diferente do exterior, é quase uma unanimidade em elogios por parte do público. A versão Platinum, nossa testada da vez, mescla tons monocromáticos com um discreto e escuro marrom, que está presente em parte das portas, painel e bancos de couro que dá uma agradável sensação de carro premium.

Mas essa sensação é quebrada pelo abuso de plástico em todos os cantos. Tirando os bancos, apenas as portas trazem mínimas porções em couro na área de contato com o braço.

A cabine também traz detalhes plásticos imitando alumínio nas saídas de ar-condicionado, maçanetas e volante, bem como peças em preto brilhante no console central. Por fim, iluminação de comandos e botões por LEDs brancos são levemente azulados.

Há um novo cluster de instrumentos semi-digital com tela de 7 polegadas e marcadores analógicos para conta-giros, temperatura do arrefecimento e nível de combustível.

Confira: Direção elétrica ou hidráulica? Qual é melhor?

Na tela se concentram os velocímetros em formato analógico e digital, bússola e dados de viagem (consumo médio e distância percorrida), autonomia estimada, hodômetro parcial e total, tudo configurável por botões no raio direito do volante.

Foto do painel do Hyundai Creta 2022.

Uma das características mais interessantes é a exibição das imagens das câmeras laterais que monitoram os pontos cegos: basta ligar a seta e a imagem é transmitida imediatamente, aumentando a segurança do motorista do próprio Creta e dos demais usuários da pista.

Hyundai Creta 2022 é bem equipado e conta com sistema de integração via app!

Como dissemos anteriormente, a versão Platinum do Hyundai Creta 2022 é a intermediária da linha e mais cara a utilizar o motor 1.0 turbo. Isso porque a top de linha Ultimate manteve o motor 2.0 aspirado da geração anterior.

Em comum, todas as quatro versões do novo Creta são vendidas em pacote fechado, sem opcionais. A lista de itens do Creta Platinum contempla:
  • Ar-condicionado digital com saídas traseiras e ventilação para o banco do motorista;
  • Teto solar panorâmico;
  • Seis airbags;
  • Controles de tração e estabilidade;
  • Monitoramento de pressão dos pneus;
  • Faróis por projetor bi-halógeno e ajuste elétrico de altura;
  • Luzes diurnas em LED;
  • Rodas aro 17;
  • Câmeras em 360º com monitoramento de pontos cegos;
  • Central multimídia com conexão à internet;
  • GPS nativo;
  • Espelhamento com smartphones via cabo.

Um dos grandes destaques é o sistema BlueLink de serviços integrados que traz um verdadeiro arsenal de funcionalidades remotas, todas disponíveis através de um botão dedicado próximo às luzes de cortesia dianteiras e pelo app homônimo disponível para celulares Android ou iOS.

Basta vincular o carro ao aplicativo para ter acesso a funções como:
  • Monitoramento através das câmeras ao redor do carro;
  • Partida remota;
  • Travamento e destravamento de portas;
  • Climatização.

Também é possível receber alertas de acesso indevido ao carro, portas mal-fechadas, janelas abertas e outras utilidades.

Embora seja um sistema interessante, ele requer uma conexão perfeita à internet para funcionar, caso contrário, as solicitações do app não serão recebidas pelo carro ou enfrentarão atraso na realização.

SUV roda bem, mas a suspensão é um ponto negativo:

Imagem representativa da alavanca de câmbio do Hyundai Creta 2022.

Rodamos cerca de 400 km ao longo dos sete dias de teste e analisamos o comportamento do Hyundai Creta 2022 em todas as circunstâncias, desde o trânsito urbano pesado, aos longos e livres trechos rodoviários.

De modo geral, o SUV compacto se sai muito bem e entrega uma mistura equilibrada de conforto e dinamismo, mas a suspensão podia reagir melhor diante dos defeitos da pista.

Não há batidas secas ou fim de curso, mas o conjunto não filtra tanto as imperfeições do asfalto quanto deveria.

Em contrapartida, a dinâmica do Creta em curvas é muito boa, se assemelhando a de um carro comum com menor altura do solo.

O que também agradou no desempenho, mas foi insuficiente em suavidade, foi o motor 1.0 turbo.

Ele é mais do que capaz de movimentar o Creta com eficiência e níveis relativamente bons de consumo de combustível, mas apresentou vibração excessiva e incômoda em marcha lenta; é possível ver o assento do passageiro vibrar junto do motor, por exemplo.

Por mais que os motores de três cilindros costumem vibrar mais do que os de quatro cilindros, isso não deveria chegar a esse ponto e a Hyundai precisa redobrar a atenção nesse aspecto. Falando de consumo, nossa média geral com etanol no tanque foi de 11,4km/l.

A lista de equipamentos da configuração Platinum agrada e traz coisas que nenhum dos rivais têm. Porém, o modelo não é infalível.

A grande maioria dos itens do pacote SmartSense, composto por sistemas semiautônomos de segurança, ficou de fora; apenas as câmeras 360º e o monitor de objetos e ocupantes no banco traseiro estão presentes.

Sentimos falta do retrovisor interno fotocrômico, dos faróis Full LED e dos sensores dianteiros de estacionamento que podiam compor o pacote, afinal, trata-se de um veículo que beira os 150 mil reais.

O Creta é equilibrado, cumpre propostas, mas peca um pouco no espaço interno!

No final das contas, nossa conclusão é a de que o novo Creta trouxe uma revolução de estilo e tecnologia, mas sem mudar sua proposta.

Ele continua não sendo um dos mais espaçosos do segmento, mas compensa com um porta-malas maior que o da média, um pacote tecnológico com poucas faltas e um conjunto mecânico bem calibrado, alinhado com o da concorrência.

Foto do porta-malas do Hyundai Creta 2022.

Com quatro adultos altos a bordo, já será possível ouvir reclamações de aperto para as pernas, então o SUV coreano pode ser uma compra interessante aos que não usam tanto o banco traseiro, dando preferência ao porta-malas.

O novo Creta também agradou pelas funcionalidades e a eficiência com a qual cumpre as tarefas nas quais se propõe.

Por fim, se mostra um custo-benefício interessante diante dos rivais diretos pela proposta equilibrada, apesar de deixar a desejar em desempenho diante de rivais com preço inferior ou semelhante e motores bem mais fortes.

Principais concorrentes diretos

Renault Captur

Nissan Kicks

Volkswagen T-Cross

Honda HR-V

Suzuki Jimny

Kia Stonic

Chevrolet Tracker

Renault Duster

Volkswagen Nivus

Jeep Renegade

Peugeot 2008

Citroën C4 Cactus

Chery Tiggo 5X Pro