Logotipo Olho no Carro

Testamos o Fiat Toro Volcano 2022 por uma semana, veja o que nós achamos desse modelo! 

Está pensando em comprar um Fiat Toro usado?

Então consulte o histórico completo e evite problemas!

Existem dois motivos que fazem alguns carros dominarem seus segmentos de atuação no mercado: superioridade e falta de concorrentes diretos. O Fiat Toro é um ótimo exemplo de produto que alinha esses dois fatores. Lançado em 2016, esse modelo nasceu para competir no então recém-inaugurado segmento das picapes compactas-médias, que foi desbravado pelo Duster Oroch da Renault. 

Apesar do Fiat Toro ter chegado depois, ele se tornou um absoluto sucesso e ofuscou completamente seu único rival.  

Muito disso se deve ao extenso catálogo de versões e opcionais, que fizeram da picape um produto adequado a praticamente todos os gostos. Mas o tempo passa e atualizações se fazem necessárias, e elas chegaram ao Toro em abril deste ano, na forma do seu primeiro facelift. Essa reformulação trouxe, além de uma leve renovada no visual, um motor inédito e muito mais tecnologia a bordo. 

Nossos parceiros do Volta Rápida passaram uma semana ao volante da versão intermediária Volcano. Ela é equipada com o novo motor 1.3 turboflex, câmbio automático de seis marchas, tração somente dianteira e o opcional “pacote Tecnologia”, que traz elementos de condução semiautônoma. 

Seu preço base é de R$ 158.290, mas encosta nos R$ 170 mil se colocarmos a cor Branco Polar de acabamento perolizado por R$ 2.500 e o pacote Tecnologia por R$ 5.500, tal qual nossa unidade testada. 

Mesmo não sendo a versão topo de linha, a Fiat Toro Volcano 2022 já traz praticamente todas as novidades tecnológicas introduzidas no facelift.  

Vale lembrar que, além do 1.3 turboflex, ela também pode ser comprada com o conhecido conjunto composto pelo motor 2.0 turbodiesel, câmbio automático de nove marchas e tração integral seletiva. Nesse caso, o preço base salta para R$ 191.790, R$ 33.500 mais caro do que a motorização turboflex

Falando das novidades estéticas, elas se concentram na dianteira: a Fiat trouxe um novo para-choque com imitação de skid plate na parte central e faróis de neblina redesenhados. Nessa versão, eles são por refletores de LED com formato de paralelogramo.

A grade central também é nova e traz o atual emblema da marca ao centro, composto pelas letras FIAT soltas, e filetes cromados que se interligam aos faróis que também são do tipo Full LED. O acabamento da peça é em preto brilhante. 

Por dentro também há novidades: um novo painel de instrumentos 100% digital para todas as versões. Além disso, há novas opções de centrais multimídia, layout atualizado para o painel (de modo geral), comandos do sistema de ar-condicionado e reposicionamento de alguns botões e outros controles.  

Um dos destaques do pacote Tecnologia é a central multimídia com tela vertical de 10 polegadas. Sem ela, a versão Volcano traz uma central com tela horizontal de 8,4 polegadas, mais tradicional. 

A “cereja do bolo” do Fiat Toro Volcano 2022 é, sem dúvidas, o novo motor.  

Trata-se de um bloco 1.3 da família GSE/Firefly turbo capaz de gerar até 185 cv com etanol (180 cv com gasolina) e 27,5 Kgfm com qualquer combustível. Esse motor trabalha com a conhecida transmissão automática de seis velocidades e tração somente dianteira. Não há a opção de combiná-lo ao sistema de tração integral exclusivo da motorização turbodiesel. 

Ele substituiu o antigo 1.8 aspirado quase completamente. Isso porque o cansado E.torQ ainda existe unicamente na configuração mais barata da picape. Chamado popularmente de “Turbo 270”, o inédito 1.3 também inaugurou a nova nomenclatura da Fiat para seus motores sobrealimentados que exalta o torque máximo em Newton-metro (Nm) e que também pode ser vista no recém-lançado Pulse e seu motor 1.0 turbo, chamado de “Turbo 200” em referência ao torque máximo de 200 Nm (20,4 Kgfm). 

Sobre as novidades tecnológicas, a versão Volcano melhorou a relação custo x benefício que já era atraente antes do facelift.  

Dentre os itens de série há: 

  • Ar-condicionado digital de duas zonas; 
  • Sensores dianteiros e traseiros de estacionamento; 
  • Câmera de ré; 
  • Conjunto ótico frontal inteiramente em LED; 
  • Banco do motorista com ajustes elétricos; 
  • Central multimídia com espelhamento sem fio de smartphones; 
  • Carregador de celulares por indução; 
  • Piloto automático com limitador de velocidade, entre muitos outros. 

Caso o comprador acrescente o pacote Tecnologia, assim como nosso carro de teste, ele terá a mais os itens do conjunto ADAS, sigla para Sistemas Avançados de Assistência ao Condutor em inglês. Ele traz farol alto automático, assistente de permanência em faixa com correção ativa de direção e frenagem autônoma de emergência, além da já citada central multimídia com tela vertical e GPS nativo, espelhamento sem fio, entre outros. 

Ao volante, o primeiro contato com o Toro 1.3 causa certa estranheza.  

Isso porque, apesar dos números, a picape se movimenta em velocidades mais baixas com muita tranquilidade e pouquíssimo barulho. O “creeping” (movimento que todo carro automático faz ao se tirar o pé do freio com o câmbio em D) é tão lento a ponto de fazer o utilitário parecer preguiçoso e a impressão que nos deixou é a de que a Fiat optou por um acerto mais conservador da transmissão, a fim de privilegiar o consumo em detrimento do desempenho. De fato, conseguimos uma média geral de 12,4 Km/l com gasolina, com uso alternado de ar-condicionado e de duas a quatro pessoas a bordo. 

Com todo o torque disponível já aos 1.750 rpm, é evidente que não falta desempenho ao Fiat Toro Volcano 2022. Passadas as primeiras marchas, logo o motor desperta e mostra seu poder de fogo, movimentando os 1.707 Kg da picape com uma desenvoltura digna de carros pequenos e bem mais leves. Principalmente na estrada, onde as velocidades mais altas exigem que o motor trabalhe em giros um pouco mais altos e mais próximo da faixa de entrega de potência máxima. O bom é que a programação conservadora do câmbio faz com que ele deixe os giros abaixo dos 2.000 rpm o tempo inteiro, o que torna a direção mais confortável.

As novidades tecnológicas também caíram como uma luva na picape atualizada.  

Os faróis em LED, por exemplo, superam com folga os halógenos tanto em eficiência quanto em visual, assim como o novo painel de instrumentos digital que é recheado de informações dispostas em uma tela de 7 polegadas e ainda permite selecionar os dados a serem exibidos. Como nada é perfeito, o novo componente tem um defeito: a péssima visibilidade em dias muito claros em que o reflexo do sol dificulta a leitura dos dados exibidos. 

Também tivemos alguns problemas com a central multimídia, mas no sentido de falhas do sistema em si: travamentos, momentos onde a tela não respondia aos toques, entre outras coisas que exigiam a reinicialização. Pode ser apenas um caso isolado ou mera questão de atualização do software, mas merece atenção de todo modo. Nos momentos em que o sistema funcionou corretamente, a central se mostrou bastante interessante e repleta de recursos/configurações para o carro, além da possibilidade de exibir duas funções ao mesmo tempo como, por exemplo, tela do GPS e rádio. 

Após mais de 700 Km percorridos, sendo boa parte em trechos rodoviários, finalmente é seguro indicar a compra de um Fiat Toro que não seja equipado com o caro conjunto movido a diesel. 

O novo motor 1.3 turbinado não deixa saudade alguma do antigo 1.8, superando-o em todos os aspectos. É verdade que ele não é um primor de economia e, nesse sentido, o 2.0 turbodiesel ainda é melhor, mas o desempenho não deixa a desejar em hipótese alguma (mesmo com a picape carregada). 

O preço da versão Volcano se nivela com o de alguns SUVs compactos em suas versões mais caras ou, partindo para o andar de cima, alguns SUVs médios em versão de entrada e intermediária. Trazendo um conjunto mecânico e pacote de itens de série nivelado com eles, o Toro só fica devendo em espaço interno, o que o torna mais adequado para, no máximo, casais com filhos pequenos que precisam, eventualmente, transportar cargas em um carro que misture qualidades para lazer e trabalho. 

Saiba mais sobre o Fiat Toro Volcano 2022 neste vídeo:

Principais concorrentes diretos 

Renault Duster Oroch