Logotipo Olho no Carro

Testamos o Fiat Argo 2022 por uma semana, veja o que nós achamos! 

Apesar das muitas novidades que têm apresentado no mercado brasileiro, a Fiat não esqueceu do Argo. O compacto é importante para a marca, pois é o primeiro produto da “nova fase” dela no Brasil e, para 2022, recebeu discretas novidades, como a versão que nossos parceiros do Volta Rápida receberam para sua avaliação padrão de uma semana. 

Não compre um Fiat Argo usado antes de ler isso!

Carros usados podem ser roubados, batidos, de leilão, ter débitos, restrições entre muitos outros problemas. Se você quer evitar prejuízos e comprar com segurança, faça a consulta completa do histórico do veículo.

Quer ver como é fácil fazer essa consulta?

Estamos falando da Drive S-Design, uma nova configuração introduzida na linha 2022 que se baseia na antiga Drive 1.3 manual, agora com o pacote estético incorporado definitivamente.  

O pacote S-Design chegou como opcional nas linhas 2020 dos modelos Argo, Cronos e Toro, trazendo detalhes visuais exclusivos que dão mais refinamento ao exterior e interior. 

Agora que ganhou status de versão, o S-Design passou por mudanças que caíram muito bem nas linhas do Fiat Argo 2022. Os elementos que traziam detalhes em preto brilhante ou fosco, agora apresentam em um tom de bronze fechado, quase marrom, com acabamento acetinado em frisos externos e internos, bem como nas letras estilizadas que identificam o modelo no porta-malas. 

Os retrovisores e o aerofólio no topo da tampa do porta-malas vêm em preto brilhante e, no interior, as colunas e o teto são revestidos de preto. Os bancos são de tecido e trazem uma costura contrastante no mesmo tom bronze dos detalhes no console central e no painel. As rodas de 15 polegadas são as mesmas da antiga configuração Drive, mas recebem um acabamento grafite para completar o conjunto. Nosso carro de teste está na cor Cinza Silverstone que custa R$1.800 à parte. 

Custando R$78.290, fora as pinturas que não sejam o Preto Vulcano, a nova versão Drive S-Design se posiciona acima da Drive 1.0 e abaixo da Trekking 1.3 com câmbio manual (custando apenas R$700 a menos do que ela). Essa versão tirou a Drive 1.3 convencional de cena.  

O pacote de itens é o mesmo da versão Trekking, fazendo com que diferença entre elas seja o visual e a proposta: enquanto a Trekking tem pegada aventureira, a Drive S-Design é 100% urbana. 

Falando em itens, a Drive S-Design não tem opcionais. A lista de equipamentos engloba: 

  • Controles de tração e estabilidade; 
  • Faróis de neblina; 
  • Ar-condicionado digital; 
  • Central multimídia com tela de 7 polegadas; 
  • Sensores de ré; 
  • Banco do motorista e volante com ajuste de altura, entre outros.  

Os faróis também trazem luz de posição em LED, mas a Fiat insiste em não conjugar a função de luz diurna (DRL) nas peças. 

Na parte mecânica não há novidades. Se baseando na Drive 1.3, a Drive S-Design traz o conhecido motor 1.3 aspirado Flex da família Firefly, um bloco capaz de gerar até 109 cv e 14,2 kgfm quando abastecido com etanol. Esses números sofrerão uma ligeira queda em 2022 devido às normas Proconve L7, que entrarão em vigor logo no mês de janeiro, visando reduzir as emissões de poluentes dos carros vendidos no Brasil. 

Como a Fiat aboliu a transmissão automatizada Dualogic/GSR de vez, a Drive S-Design só pode ser comprada com câmbio manual de cinco marchas. Durante nossos testes notamos sensíveis melhoras tanto no pedal da embreagem quanto na alavanca de transmissão, que apresentaram acionamento mais suave e engates mais precisos, respectivamente. 

Rodamos cerca de 400km ao longo de nossa semana de testes, entre trechos urbanos e rodoviários, e o Fiat Argo 2022 agradou em todas as condições.  

O motor 1.3 não esbanja desempenho, mas consegue levar os 1.140kg do compacto com decência. O que ainda incomoda é o escalonamento desnecessariamente curto da primeira e quinta marchas. 

O ponto alto do 1.3 é, sem sombra de dúvidas, o baixo consumo de combustível. Andando com uma a três pessoas no carro, gasolina no tanque e uso alternado de ar-condicionado, nossa média geral foi de 15,7 km/l, o que reafirma o motor 1.3 como a escolha mais interessante para o Argo, pois é a que melhor combina desempenho e consumo. 

Outra característica que faz do Argo S-Design um ótimo companheiro de uso diário é a suspensão. Bem calibrada, ela casa perfeitamente com os pneus de aro 15 e perfil 60 e deixa a condução bastante confortável, sem batidas secas ou fim de curso dos amortecedores. Pena que o isolamento acústico não é igualmente bom, deixando passar o ruído da rodagem dos pneus sem muita cerimônia. 

Ao entrar no Fiat Argo 2022, dificilmente dá para dizer que se trata de uma versão intermediária.  

A cabine predominantemente preta com detalhes em bronze eleva o nível do ambiente e passa uma agradável sensação de requinte, que é reforçada pela tela “flutuante” do multimídia Uconnect e os comandos do ar-condicionado digital. O painel de instrumentos traz uma pequena tela multifuncional ao centro, operada pelos comandos à esquerda do volante.

Falando do multimídia, sua tela de 7 polegadas é nítida e o funcionamento geral é bom, mas ocorreu um ligeiro “bug” que travou a imagem por algumas horas em um dos dias de teste. O sistema conta com espelhamento para smartphones Apple e Android via cabo USB, conexão Bluetooth e permite configurar diversos parâmetros do carro. 

O painel de instrumentos traz dois grandes mostradores analógicos de fácil leitura e os marcadores de temperatura e combustível digitais. Já a tela do computador de bordo, embora pequena, mostra tudo o que o motorista precisa e traz dados A e B separados de viagem, algo útil para quem divide o carro com outra pessoa ou gosta de comparar médias de consumo em períodos diferentes. 

A linha 2022 acrescentou qualidades ao Argo e manteve os pontos fortes do compacto italiano. 

O grande problema é o preço, pois a marca lançou recentemente o inédito Pulse, seu primeiro SUV compacto fabricado no Brasil, cujo valor da versão de entrada é perigosamente próximo ao do Argo S-Design. O Pulse é um projeto mais novo, é mais equipado e traz a mesma configuração mecânica. 

Diante dos fatos, o Argo só compensa se o comprador realmente não tiver interesse em aderir à moda dos SUVs compactos. O espaço interno razoável e a lista de equipamentos do hatch não decepcionam, mas ainda ficam abaixo da novidade recém-apresentada que, inclusive, estreou os novos 1.0 turbo e câmbio CVT que prometem chegar ao Argo em um futuro facelift. 

Saiba mais sobre o Fiat Argo 2022 neste vídeo:

Principais concorrentes 

Chevrolet Onix 

Volkswagen Polo 

Hyundai HB20 

Peugeot 208 

Toyota Yaris 

Renault Sandero