Logotipo Olho no Carro

Confira agora um pouco da história do Chevrolet Spin e saiba mais sobre seus pontos fortes e fracos!

O Chevrolet Spin foi apresentado ao mercado brasileiro no começo do segundo semestre de 2012 e chamou atenção por ser uma minivan.

Esse modelo também é chamado por alguns de MPV (Multi Purpose Vehicle, ou Veículo Multipropósito), um tipo de carroceria que nunca foi dos mais populares no Brasil e que vem encolhendo ano após ano.

Atualmente, o Chevrolet Spin é o único carro desse estilo à venda no país e seu futuro é incerto, dividido entre boatos de uma nova geração e da retirada definitiva de linha.

Está pensando em comprar um carro usado e quer ter mais segurança na hora de fechar o negócio?

Então consulte o histórico do veículo e fuja de possíveis problemas!

Design

O visual do Spin faz questão de deixar claro que o modelo partilha muitas de suas características com carros como o Cobalt e os antigos Onix e Prisma, seus “irmãos” de projeto.

Pensado para substituir nomes consagrados como Meriva e Zafira de uma só vez, o Spin trouxe o design monovolume de minivan em uma proporção que, na visão de muitos consumidores, não foi a melhor.

Além da silhueta nem um pouco aerodinâmica, o desenho do Spin foi concebido para o melhor aproveitamento possível de espaço no interior do carro, prevalecendo a funcionalidade em detrimento da estética.

Começando pela dianteira, os grandes faróis são sempre por refletor único bifocal com máscara cromada ou preta, ladeando a grade dividida em dois estágios, que foi bastante criticada em outros carros da marca, mas que caiu bem no Spin devido a seu porte avantajado.

O para-choque é dividido em dois segmentos para dar robustez a dianteira, abrigando os faróis de neblina na porção inferior.

Na lateral, os para-lamas são discretos e há poucos detalhes para chamar atenção. A vigia traseira, atrás das portas, é “cortada” pela coluna na cor da carroceria, que quebra a ideia de continuidade, para não fazer o Spin parecer excessivamente comprido.

Por fim, a traseira conta com uma grande vigia em vidro na tampa do porta-malas, pequenas lanternas verticais e um para-choque que repete a divisão da dianteira, abrigando a placa de identificação ao centro.

Mudanças feitas no facelift de 2018:

Em 2018, a Chevrolet promoveu mudanças pontuais no primeiro facelift da minivan, que melhoraram o visual, além de outros pontos que foram alvo de elogios do público.

Na dianteira, a grade central ficou mais elegante e integrada ao conjunto, interligando-se discretamente com os novos faróis mais afilados e que trazem guia de LED para luz de posição nas versões mais caras.

Os para-choques ficaram mais elegantes e incorporados ao restante do carro, assim como as novas lanternas horizontais, que passaram a invadir o porta-malas e se conectar visualmente com a placa de identificação reposicionada, saída do para-choque traseiro para o centro da tampa do compartimento de bagagens.

Confira: Envelopar ou pintar o carro? Quais são as diferenças e qual é a melhor opção?

Mecânica

O Chevrolet Spin é montado sobre a plataforma GSV, a mesma sobre a qual os antigos Onix e Prisma, além do sedan Cobalt, são construídos.

Ele conta com uma única opção de motorização: o conhecido 1.8 “Econo.Flex”, da chamada Família I, naturalmente aspirado, dotado de quatro cilindros em linha e duas válvulas por cilindro, capaz de gerar potência de 108 cv e torque de 17,1 kgfm.

Inicialmente, ele podia ser aliado a uma transmissão manual de cinco marchas ou automática de seis marchas, mas uma nova caixa manual de seis velocidades foi disponibilizada em 2017, para substituir a antiga de cinco.

No mais, o Spin conta com suspensão traseira por eixo de torção e freios a disco somente na dianteira, contando com tambores na traseira para todas as versões, independentemente do ano/modelo.

Interior

Sendo mais um modelo oriundo da arquitetura GSV, o Spin se configura como um produto de baixo custo e isso se faz bastante evidente ao entrar na cabine da minivan.

Há uma agradável mescla de tons de cinza que, dependendo da versão, se misturam aos bancos e parte das portas em tons mais claros que até passam a impressão inicial de requinte.

Porém, a impressão é desfeita ao se perceber que todos os acabamentos internos são em plástico rígido, algo que também foi alterado para melhor nos modelos pós-facelift que adotaram mais partes em tecido ou até mesmo couro nas portas, replicando o padrão dos assentos.

O Spin pode ser encontrado com cinco ou sete lugares, mas é preciso atenção ao tamanho dos passageiros: medindo 4,36m de comprimento e com 2,62m de entre-eixos, não há fartura de espaço, especialmente na terceira fileira que, como na maioria dos casos, acomoda melhor crianças.

Também não há saídas de ar-condicionado dedicadas às outras fileiras de bancos, apenas as tradicionais voltadas para motorista e passageiro, o que pode ser um problema em dias mais quentes.

Sobre o porta-malas, são 162 litros com os sete assentos montados e 553 litros com a terceira fila de bancos rebatida.

Leia mais: Melhores carros com sete lugares com preços acessíveis

Tecnologia

Desde seu nascimento, o Spin é um dos carros mais básicos à venda no Brasil, o que se mostra mais um ponto em comum com outros carros do projeto GSV.

No ato de seu lançamento, a versão mais barata da minivan trazia itens como:
  • Ar-condicionado;
  • Direção hidráulica;
  • Freios ABS;
  • Airbags duplos frontais;
  • Vidros e travas elétricas;
  • Repetidores laterais de seta;
  • Rodas aro 15 com calotas (opcional);
  • Rodas de liga-leve (opcional);
  • Rádio com CD Player (opcional).
Já a versão mais completa não acrescentava muitos itens. Além dos já citados, o veículo era equipado com:
  • Sensores traseiros de estacionamento;
  • Computador de bordo;
  • Volante multifuncional com comandos de som;
  • Piloto automático.
Com o tempo, o Spin melhorou sua lista de equipamentos acrescentando itens como:
  • Faróis com ajuste elétrico de altura;
  • Direção elétrica;
  • Central multimídia MyLink;
  • Segunda fileira de bancos corrediça;
  • Câmera de ré;
  • Sensores crepuscular e de chuva.
Quer saber mais sobre o Chevrolet Spin? Confira o vídeo abaixo!

Principais pontos fortes

Sete lugares:

O que é possível comprar no cenário atual, entre os zero km, que leva até sete pessoas e não custa uma fortuna? Só há uma resposta: Chevrolet Spin. O modelo se mantém firme, mesmo sendo um segmento ameaçado de extinção.

Esse carro chega a ser uma luz no fim do túnel para os que necessitam de um carro maior para levar a família ou usar no trabalho e não querem desembolsar muito dinheiro.

Manutenção:

A mecânica do Spin é extremamente simples e antiquada, mas acredite se quiser: até isso consegue ser algo positivo.

Utilizando um motor presente nos Chevrolet brasileiros há décadas, o Spin se mostra um carro baratíssimo de se cuidar e que promete não dar maiores dores de cabeça, sendo fácil de se cuidar e de achar peças em qualquer lugar.

Definitivamente, é uma compra indicada para quem se preocupa com custo e facilidade de manutenção.

Mercado:

Comprar um Spin é muito fácil. Só não é mais fácil do que vender. Tendo o diferencial dos sete lugares e sendo um carro relativamente barato, o Spin é altamente comercial e facilmente aceito em qualquer tipo de negociação.

Principais pontos fracos

Segurança:

Por muito tempo, a Chevrolet ficou sem oferecer absolutamente nada além dos itens de segurança obrigatórios por lei no Spin, o que é um pecado quando lembramos que se trata de um carro pensado para levar até sete pessoas.

A linha 2021 trouxe os aguardados controles de tração e estabilidade para todas as versões, mas não há nada além disso, dos freios ABS e dos airbags duplos frontais.

A minivan também nunca passou por um crash test, mas o antigo Onix (da mesma plataforma) fez vergonha ao zerar o primeiro teste de colisão que fez, o que nos leva a pensar que o Spin não deve ser muito diferente.

Mecânica:

Sendo um carro que custa, atualmente, entre 100 mil e 123 mil reais, o Spin é insuficiente quando se fala de conjunto mecânico.

Mesmo após quase dez anos e os aumentos sucessivos de preços, o Spin não recebeu qualquer toque de modernidade, mantendo características de carros bem mais baratos como o motor antiquado, a suspensão independente apenas nas rodas dianteiras e os freios traseiros a tambor.

Tecnologia:

Além da mecânica, o Spin também parece ter parado no tempo quando se fala de tecnologia embarcada. É verdade que o modelo recebeu boas, porém, tardias novidades ao longo dos anos, mas ele ainda está longe do mínimo que um carro de proposta familiar deveria oferecer.

Principais concorrentes diretos

Nissan Livina / Grand Livina

Citroën C4 Picasso / C4 Grand Picasso