Logotipo Olho no Carro

Muitas pessoas que têm o sonho de ter carros rebaixados não sabem quais são as regras que precisam seguir para não correrem o risco de serem multadas. Então vamos explicar, neste texto, quais são as regras para quem pretende fazer modificações no veículo, como regularizar um carro rebaixado e quais são as penalidades impostas a quem não segue as leis.

Está pensando em comprar um carro usado?

Então consulte o histórico completo e evite problemas como carros batidos, de leilão, com restrições, débitos, entre outros.

Existe lei para carros rebaixados?

Antes de saber como regularizar um carro rebaixado, você deve saber quais são as regras previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que regulamentam as modificações de veículos:

1 – O proprietário não poderá modificar o veículo sem a autorização do Detran e do Contran;

2 – Caso seja feita alguma modificação no veículo, será necessário emitir um Certificado de Segurança (CSV), que deve ser expedido por uma instituição técnica credenciada por órgão ou entidade de metrologia legal;

3 – Será necessário também adicionar as modificações realizadas no Certificado de Registro de Veículo (CRV) e no Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV). No campo de observações, deverá constar a nova altura do veículo, que deve ser medida verticalmente, do solo ao ponto do farol baixo;

4 – É proibido o uso de suspensão a ar e de rosca.

Como é feito o CSV do veículo?

O Certificado de Segurança Veicular (CSV) é um documento que atesta que as modificações realizadas no veículo estão em conformidade com a lei e, por isso, não apresenta risco à segurança do trânsito.

Esse certificado é exigido sempre que for feita alguma modificação das configurações de fábrica do veículo, que são:

  • Alterações na suspensão;
  • Instalação de Gás Natural Veicular (GNV);
  • Modificações de iluminação;
  • Aumento da potência do motor;
  • Blindagem;
  • Insulfilm;
  • Adaptação de transporte para portadores de deficiência.

Para emitir o CSV do veículo:

1 – Vá até o Posto de Atendimento do Detran da sua cidade;

2 – Procure o órgão de inspeção mais próximo para verificar se as modificações que você pretende fazer estão de acordo com a lei;

3 – Vá até uma empresa de inspeção, que seja credenciada ao Detran, para fazer a vistoria;

4 – Aguarde a emissão do CSV.

Quanto custa para regularizar carros rebaixados?

Para regularizar um carro rebaixado, você deverá emitir o CSV, conforme explicamos anteriormente, além de solicitar um novo CRV e um novo CRLV, que contenham as modificações realizadas no veículo.

Os preços das vistorias e da emissão dos novos documentos variam de um estado para o outro, já que não são tabelados.

Para saber os valores pagos por esses serviços no estado onde você mora, clique no link correspondente e procure por informações mais detalhadas no site do Detran: AC; AL; AP; AM; BA; CE; DF; ES; GO; MA; MT; MS; MG; PA; PB; PR; PE; PI; RJ; RN; RS; RO; RR; SC; SP; SE; TO.

O que acontece se o carro não for regularizado?

Rodar com um carro modificado, sem a devida regularização, é considerado uma infração gravíssima, que gera uma multa de R$ 293,47; 7 pontos na CNH, além da apreensão do veículo.

É possível financiar um carro rebaixado?

Sim, é possível, desde que ele esteja devidamente regularizado e você tenha a comprovação de renda exigida pelo banco ou instituição financeira.

Mas é importante dizer que é mais difícil conseguir financiamentos de veículos que não têm seguro, e isso é uma questão delicada para os carros rebaixados.

Quer saber mais sobre financiamento de carros? Clique aqui!

Seguro para carros rebaixados, é possível fazer?

Sim, mas boa parte das seguradoras não aceita veículos modificados e as justificativas costumam ser as seguintes:

1 – Aumento nas chances de acidentes

As modificações das peças originais podem ter relação com o aumento na chance de acidentes de trânsito. Com isso, o valor do seguro tende a aumentar muito e não se torna interessante nem para o motorista nem para a seguradora;

2 – Dificuldade de calcular o valor de consertos

Por conta das modificações do veículo, o cálculo dos preços dos consertos, em caso de sinistro, fica mais difícil;

3 – Perfil do motorista

Muitas seguradoras acreditam que o motorista que tem um carro rebaixado está mais propício a fazer manobras arriscadas, o que aumenta o risco de acidentes e a demanda por consertos e trocas de peças.

Veja agora quais são os 4 principais estilos de carros rebaixados:

1 – Dropped

Imagem retirada de banco de dados público digital

Esse é o estilo mais comum de todos, porque é o que demanda o menor investimento. Nesse caso, a diminuição da altura da suspensão é feita por meio da instalação de molas esportivas.

2 – Slammed

Imagem retirada de banco de dados público digital

Nesse estilo, as rodas são alinhadas de forma que entrem nos para-lamas do carro, independentemente da suspensão que será usada.

3 – Flush

Imagem retirada de banco de dados público digital

Esse estilo é conhecido principalmente por usar rodas largas, que se alinham com o para-lamas do carro. Em muitos casos, as rodas saem um pouco para fora e é possível conseguir esse resultado usando espaçadores, para diminuir o offset.

4 – HellaFlush

Imagem retirada de banco de dados público digital

Nesse caso, os carros são extremamente baixos e são usadas rodas bem largas, com talas que vão de 9.5″ até 13″.

Esse estilo tem como característica principal o offset baixo, ou até mesmo negativo, que dá a impressão de que a roda está fora dos para-lamas.