Logotipo Olho no Carro

Conheça os principais detalhes do Ford Ka G3 e veja o histórico de versões e os pontos fortes e fracos desse modelo. 

A terceira geração do Ford Ka foi desenvolvida no Brasil e apresentada ao mercado nacional na metade de 2014. Pensado como um modelo global, o compacto passou por severas mudanças diante de seus antecessores. O objetivo era atingir o maior número de países possível e tentar se tornar um best-seller.  

Não compre um Ford Ka usado antes de consultar o histórico!

Carros usados e seminovos podem ter diversos problemas no histórico como batidas, gravame, débitos, restrições, recall e muito mais. Esses problemas, além de desvalorizarem o valor de mercado do veículo, podem dificultar a transferência e o licenciamento.

Por isso, antes de negociar, faça a consulta de placa completa:

Design 

O Ford Ka G3 foi concebido sob a filosofia de design denominada “Kinetic 2.0”, uma evolução da Kinetic original, que foi lançada em 2011, através do conceito Evos. Assim como sua antecessora, essa filosofia ditou o rumo das linhas de inúmeros modelos dentro do portfólio da marca. A Ford chegou a desenvolver um Ka conceitual para antecipar as linhas da novidade e mensurar a aceitação pública, deixando claro que ela seria muito diferente do modelo a ser substituído. 

O novo Ka manteve os faróis por parábola única, mas eles passaram a se estender ligeiramente pelos para-lamas e ganharam um aspecto mais agressivo. Além disso, foram complementados por uma nova grade hexagonal com acabamento preto e moldura prateada.  

Na lateral, o maior “choque” está na presença das quatro portas, uma vez que o Ka sempre foi um modelo de apenas duas portas. Inclusive, o Ford Ka G3 foi construído apenas com 4 portas. Já a traseira apresenta lanternas mais altas, sem invadir o porta-malas e próximas do vidro traseiro, com a placa abrigada no para-choque. 

Mecânica 

O Ka G3 é montado sobre a plataforma B2E, da família B Global, que também é utilizada pelo EcoSport (geração atual) e Fiesta (penúltima e atual geração).  

Desenvolvida em parceria com a Mazda, a nova arquitetura trouxe um nível superior de refinamento mecânico e tecnológico ao Ka brasileiro, sendo acompanhada de uma dupla de novos motores de três cilindros chamados de Ti-VCT, sigla referente ao sistema de comando duplo e independente de válvulas. 

Sendo ambos naturalmente aspirados e Flex, o 1.0 gera até 85 cv e 10,7 kgfm enquanto o 1.5, mais conhecido como Dragon, gera até 137 cv e 16,1 kgfm. O Ford Ka G3 pode ser encontrado com câmbio manual de cinco velocidades ou automático de seis marchas, embora o câmbio automático só tenha surgido alguns anos após o lançamento do modelo (assim como o motor 1.5).  

Vale ressaltar que o câmbio utilizado pelo Ka não se trata do malfadado Powershift, mas sim de uma caixa automática convencional, desenvolvida pela própria Ford, e denominada 6F15. 

Interior 

Por dividir sua plataforma com o Fiesta, um carro de categoria superior, o novo Ka também ganhou refinamento na cabine ao incorporar algumas soluções e até mesmo elementos do irmão mais caro, a começar pelo volante de três raios. Substituindo a peça antiga, de dois raios e centro arredondado, o novo volante traz detalhes prateados ou em preto brilhante e, dependendo da versão, comandos para diversas funções (algo inédito no modelo). 

Assim como no Fiesta, o Ka G3 traz um console central repleto de botões, com a tela do sistema de entretenimento embutida no topo do painel, ladeada por saídas verticais de ar. Mais abaixo se encontram os controles de ar-condicionado e um novo porta-objetos, além da tomada tradicional de 12v e porta USB.  

Por fim, o novo painel de instrumentos traz layout dividido em três círculos e uma pequena tela para o computador de bordo na parte inferior do mostrador central. 

Tecnologia 

O Ka G3 não chegou como um dos mais baratos da categoria, mas isso tem uma boa razão. Desde a versão de entrada, o compacto já oferecia uma boa lista de itens de série e não dava muito espaço para faltas do ponto de vista de quem queria apenas um 0km acessível equipado com o mínimo de conforto.  

O Ka mais barato já traz: 

  • Ar-condicionado; 
  • Chave canivete; 
  • Rádio com bluetooth; 
  • Limpador e desembaçador do vidro traseiro; 
  • Volante com ajuste de altura; 
  • Direção elétrica;  
  • Indicador de troca de marcha. 

Na outra ponta da lista, o Ka top de linha oferece alguns “mimos” que deixam a convivência bem mais agradável, além de um item que ainda era raríssimo na categoria, na época do seu lançamento: o chamado AdvanceTrac é composto por controles de tração e estabilidade com auxiliar de partida em rampas, algo que nenhum outro 1.0 oferecia na época.  

Além disso, conta com vidros elétricos nas quatro portas, computador de bordo multifuncional, banco do motorista com ajuste de altura e, como opcionais, pode receber câmera de ré e central multimídia com tela touchscreen. 

Principais pontos fortes 

Mercado:  

Além do Ka ser um velho conhecido do brasileiro, a terceira e última geração deixou o modelo mais competitivo do que nunca, o que o fez figurar entre os três mais vendidos do país inúmeras vezes. O Ka G3 se tornou um carro fácil de comprar e vender, além de ser querido pelos proprietários. 

Itens de série:  

Mesmo as versões mais baratas já trazem o famoso “kit dignidade”, o que faz do Ka uma boa compra para quem não pode gastar muito, mas preza por um mínimo de comodidade ao dirigir. 

Economia (motor1.0):  

A leveza da carroceria casou bem com a modernidade do 1.0 Ti-VCT, deixando o Ka G3 bastante econômico no convívio diário e até bastante esperto para um 1.0 aspirado. 

Principais pontos fracos 

Espaço interno:  

Espaço sempre foi um problema para o Ford Ka e isso não mudou na terceira geração. Apesar de ter crescido e melhorado diante dos anteriores, o fato de dividir plataforma com o Fiesta não ajudou muito e fez do Ka G3 um dos mais apertados da categoria. 

Economia (motor 1.5):  

Quando equipado com o motor 1.5, o Ka anda como gente grande e consome do mesmo modo. Talvez pelo mau gerenciamento do câmbio, o motor 1.5 tem tendência ter um alto consumo de combustível, mesmo sendo um carro pequeno e leve. Principalmente se for aliado ao câmbio automático de seis marchas. 

Fora de linha:  

De uma hora para outra, a Ford decidiu cessar a fabricação de veículos no Brasil, o que afetou a confiança do consumidor e fez os carros da marca sofrerem uma desvalorização acima do normal. Por ter vendido tanto e mais do que qualquer outro Ford já oferecido no país, pode ser que esse problema não afete a vida do Ka, mas só o tempo dirá. 

Assista a este vídeo e saiba mais sobre o Ford Ka G3:

Principais concorrentes 

Chevrolet Onix 

Hyundai HB20 

Volkswagen Gol 

Toyota Etios 

Fiat Palio 

Renault Sandero 

Histórico de versões 

2014/2015 – SE, SE Plus e SEL – Modelo de lançamento. 
2014/2016 – SE, SE Plus e SEL – Linha 2016. 

Novidades – Todas as versões: 

  • Sistema ISOFIX para fixar assentos infantis; 
  • Som MyConnection com comandos de voz. 

Versão SEL: 

  • Retrovisores com ajustes elétricos. 
2016/2017 – SE, SE Plus, Trail e SEL – Linha 2017. 

Reposicionamentos: 

  • Acréscimo da versão Trail. 

Novidades – todas as versões: 

  • Banco traseiro bipartido; 
  • Encosto de cabeça e cinto de três pontos para o ocupante do meio do banco traseiro. 
2017/2018 – S, SE, SE Plus, Tecno, Trail e SEL – Linha 2018. 

Reposicionamentos: 

  • Acréscimo das versões S e Tecno. 
2018/2019 – S, SE, SE Plus, Freestyle e Titanium – Linha 2019, primeiro facelift. 

Reposicionamentos: 

  • Retirada das versões Tecno, Trail e SEL; 
  • Acréscimo das versões Freestyle e Titanium; 
  • Acréscimo do motor 1.5 Ti-VCT; 
  • Nova transmissão automática de seis velocidades. 

Novidades – todas as versões: 

  • Novos para-choques; 
  • Faróis redesenhados. 

Versão SE Plus: 

  • Central multimídia SYNC3; 
  • Sensores traseiros de estacionamento; 
  • Retrovisores com ajustes elétricos;
  • Faróis de neblina; 
  • Vidros elétricos nas quatro portas. 
2019/2020 – S, SE, SE Plus, Freestyle e Titanium – Linha 2020. 

Novidades: 

  • Downgrade do SYNC3 para SYNC2,5; 
  • Retirada de dois airbags nos modelos com seis bolsas, totalizando quatro bolsas. 
2020/2021 – S, SE, SE Plus e Freestyle – Linha 2021, modelo final. 

Reposicionamentos: 

  • Retirada da versão Titanium.