Logotipo Olho no Carro

Conheça os detalhes do Chevrolet Cruze G2: o que mudou, quais as novas tecnologias incorporadas, histórico de versões e muito mais. 

A segunda geração do Chevrolet Cruze chegou no mercado brasileiro no final do primeiro semestre de 2016, já como ano/modelo 2017. Importado da Argentina, o sedan médio mudou por completo e melhorou em todos os aspectos que serão abordados neste artigo.  

Não compre um Chevrolet Cruze usado antes de consultar o histórico!

Veículos usados podem ser batidos, roubados, de leilão, ter restrições, débitos, gravame, Recall, entre outros problemas que diminuem o seu valor de mercado e dificultam a transferência.

Quer evitar todos esses problemas e garantir uma compra segura?

Design 

Visando elevar o padrão e passar a sensação de carro premium, o Cruze G2 veio com linhas mais fluidas e elegantes, ao invés das quinas vivas e elementos mais simples do primeiro modelo.  

A grande abertura central dividida em duas partes no para-choque dianteiro foi mantida, mas com mais ângulos e mais detalhes cromados, inclusive nos novos faróis de neblina, que passaram a ser por projetores. 

Do mesmo modo, os faróis ficaram mais afilados e refinados: o antigo refletor monoparábola deu lugar a um conjunto com dois refletores separados ou, dependendo da versão, um projetor bi-halógeno com guia de LEDs para luzes diurnas e de posição. 

Na lateral, o Cruze G2 ganhou ares de coupé graças ao caimento suave do teto até a extremidade da traseira que, por sua vez, manteve as lanternas horizontais invadindo o porta-malas, mas com um novo formato e elementos óticos reorganizados. 

Mecânica 

A evolução mais notável do Cruze se encontra no conjunto motriz: o antigo 1.8 aspirado deu lugar a um 1.4 turbinado, também da família Ecotec, capaz de gerar até 153 cv e 24,5 kgfm, quando abastecido com etanol.  

Além dos números serem melhores que os do 1.8, o maior torque chega em um regime de rotações bem menor e, para completar, o Cruze G2 ficou aproximadamente 100kg mais leve do que o seu antecessor, o que melhorou tanto o desempenho quanto a economia de combustível

Montado sobre uma nova plataforma D2XX, o Cruze da segunda geração melhorou o peso, mas não mudou muito mais do que isso. As medidas sofreram alterações de poucos centímetros, além da Chevrolet ter mantido características como os freios a disco nas quatro rodas e a suspensão traseira por eixo de torção.  

O tanque de combustível foi de 60 para 52 litros e o porta-malas também diminuiu, passando de 450 para 440 litros.

Quer saber mais sobre o Chevrolet Cruze G2? Assista a este vídeo:

Interior 

As mudanças no interior do Cruze G2 foram mais discretas do que na parte exterior. A Chevrolet não mexeu nas disposições dos comandos, botões e equipamentos de modo geral, mas mudou o design dos elementos e a escolha de materiais e frisos.  

Há mais detalhes cromados na cabine, novos difusores de ar horizontais nas extremidades do painel (substituindo os antigos de formato circular) e os verticais no centro, margeando a tela maior da nova central multimídia, que permitiu que alguns botões fossem removidos. 

A Chevrolet manteve as porções no painel e nas portas que, dependendo da versão, recebem um material de cor diferente do restante da cabine, que também é aplicada nos assentos.  

O volante manteve o layout de três raios, mas com botões de aspecto mais sofisticado, assim como o painel de instrumentos que mudou os grafismos e veio com uma tela maior para o computador de bordo, além de mais completa e com melhor aspecto. 

Tecnologia 

A Chevrolet sempre se espelhou nos concorrentes japoneses com relação à tecnologia embarcada: o Cruze da primeira geração é bastante conservador, oferecendo apenas o básico para a categoria.  

Mas a nova geração mudou isso e colocou o sedan em um outro patamar, inclusive oferecendo itens que não existiam nos concorrentes e entregando um bom pacote de equipamentos de série, desde a versão de entrada. 

Das três configurações disponíveis no lançamento, o Cruze mais barato já vinha com pelo menos: 

  • Quatro airbags; 
  • Controles de tração e estabilidade; 
  • Faróis de neblina; 
  • Luzes diurnas; 
  • Sensores traseiros de estacionamento; 
  • Ar-condicionado automático, entre outros. 

Já o mais equipado agregava airbags de cortina, monitoramento de pontos cegos, alerta de colisão frontal, assistente de permanência em faixa, assistente de estacionamento automático, farol alto automático, entre outros itens. 

Principais pontos fortes 

Comportamento 

motor 1.4 turbo aliado ao câmbio automático de seis marchas faz um ótimo casamento e deixa o Cruze muito fácil de dirigir, além de gastar menos combustível do que o modelo antigo. 

Itens de série 

O Cruze sempre foi um carro bem equipado e só melhorou com o tempo. Quem gosta de fartura de itens de série tem, no Cruze, uma compra praticamente certa. 

Custo X benefício 

O Cruze G2 chega a custar menos do que os rivais e entrega um desempenho semelhante, quando não superior, além de um nível de equipamentos que alguns rivais mais caros ficam devendo, e muito. 

Principais pontos fracos 

Equipamentos 

Embora seja bem equipado, o Cruze G2 apresenta algumas características difíceis de compreender. Nos primeiros anos/modelo, o sistema start-stop é “indesligável”, o que obriga seus donos a conviverem com o liga-e-desliga constante do carro. Além disso, embora o farol alto seja automático, a Chevrolet nunca introduziu um sistema de luzes mais sofisticado por xenon ou LED. 

Acabamento 

A cabine do Cruze melhorou em alguns aspectos, mas o acabamento continuou sendo um ponto fraco. Não são poucos os proprietários que se queixam da falta de qualidade na cabine e da presença de barulhos internos. 

Mercado 

O futuro do Cruze não promete ser dos melhores. O modelo já se despediu de praticamente todos os mercados onde era comercializado, seguindo em linha apenas na América do Sul. Embora a GM afirme que ele não sairá de linha por aqui, o segmento dos sedans médios segue encolhendo e o Cruze está muito longe de ser um best-seller, o que pode fazer a marca repensar os seus planos. 

Principais concorrentes 

Honda Civic 

Toyota Corolla 

Volkswagen Jetta 

Kia Cerato 

CAOA Chery Arrizo 6 

Histórico de versões 

2017/2017 – LT e LTZ – Modelo de lançamento. 
2017/2018 – LT e LTZ – Linha 2018. 

Novidades – Todas as versões: 

  • Repetidores de seta nos retrovisores. 

Versão LT: 

  • Ajuste elétrico de altura do farol. 
2018/2019 – LT, Black Bow Tie e LTZ – Linha 2019 

Reposicionamentos: 

  • Acréscimo da versão Black Bow Tie, série especial. 
2019/2020 – LT e Premier – Linha 2020, primeiro facelift. 

Reposicionamentos: 

  • Retirada da versão Black Bow Tie; 
  • Retirada da versão LTZ; 
  • Acréscimo da versão Premier. 

Novidades – Todas as versões: 

  • Novos para-choques; 
  • Novas rodas; 
  • Lanternas redesenhadas; 
  • Conexão 4G com wi-fi a bordo. 

Versão LT: 

  • Airbags de cortina. 
2020/2021 – LT, LTZ e Premier – Linha 2021 

Reposicionamentos: 

  • Acréscimo da versão LTZ.