Logotipo Olho no Carro

Conheça todos os detalhes do Chevrolet Cruze G1 e saiba quais são os pontos fortes e fracos desse modelo. 

A primeira geração do Chevrolet Cruze foi lançada no mercado brasileiro no segundo semestre de 2011 com a difícil missão de substituir o Vectra, modelo muito tradicional no país e com uma longeva base de fãs. Produzido na planta de São Caetano do Sul, o Cruze G1 foi um carro global e vendido em inúmeros países sob diversas marcas diferentes do grupo General Motors, trazendo características distintas de acordo com cada mercado no qual foi vendido.  

Não compre um Chevrolet Cruze usado antes de consultar o histórico!

Veículos usados podem ter diversos problemas como roubo e furto, restrições, débitos, batidas e passagem por leilão. Esses problemas, além de diminuírem o valor do veículo no mercado, te dão muita dor de cabeça na hora de regularizar o carro e passá-lo para o seu nome.

Quer ver como é fácil consultar e garantir uma boa compra?

Design 

O esforço de design do Cruze foi liderado pelo time de projetistas da General Motors na Coréia do Sul que, devido ao caráter de produto global, tiveram apoio de designers na Alemanha, Estados Unidos e Austrália. Ele foi o carro escolhido para estrear e levar a nova identidade visual do grupo ao mundo e diversos elementos dessa nova linguagem podem ser vistos em outros carros que vieram após o Cruze G1, tanto em lançamentos inéditos quanto em reestilizações e/ou novas gerações. 

O Chevrolet Cruze G1 traz faróis horizontais de parábola única com vincos que invadem o capô, grade dianteira dividida em dois andares e três aberturas na parte inferior do para-choque, abrigando os faróis de neblina nas extremidades.  

Na lateral, o teto traz um caimento em curva que confere elegância ao design e grandes caixas de roda para abrigar peças de 17 polegadas. Por fim, a traseira traz lanternas também horizontais que invadem o porta-malas e se interligam por uma “régua” acima do vão de placa, além de um para-choque de linhas limpas e porta-malas bem demarcado pela tampa. 

Mecânica 

O Cruze G1 é montado sobre a plataforma Delta II, também conhecida como GCV, que foi desenvolvida pelo braço europeu da General Motors. Para o Brasil, o motor escolhido foi o 1.8 aspirado Flex da família Ecotec, dotado de quatro cilindros, que gera até 144 cv e 18,9 kgfm e pode trabalhar com transmissão manual ou automática, ambas de seis velocidades. 

Esse modelo trouxe algumas evoluções significativas diante do Vectra, como os freios a disco nas quatro rodas em todas as versões, embora tenha mantido alguns deslizes como a suspensão traseira por eixo de torção. Mesmo sendo mais pesado do que seu antecessor, o Cruze é melhor de dirigir por trazer direção com assistência elétrica ao invés de hidráulica.

Saiba mais sobre o Chevrolet Cruze G1 neste vídeo:

Interior 

Assim como no exterior, a General Motors aplicou uma nova linguagem visual para o interior de seus carros e escolheu o Cruze G1 como vitrine para mostrá-la ao mundo. Dono de uma cabine simples, mas bonita e bem montada, o Cruze não fez feio diante dos rivais mais consagrados ao oferecer um ambiente com mescla de tons sóbrios, mix de materiais agradável e cockpit concebido para envolver os ocupantes. 

painel de instrumentos traz quatro mostradores analógicos, sendo dois grandes e dois pequenos, com uma pequena tela multifunção ao centro. O volante de três raios conta com comandos de piloto automático e entretenimento que, por sua vez, é feito por um rádio do tipo 2DIN, com tela no topo do console central. A cabine é decorada por detalhes prateados e cromados, trazendo porções em tecido ou couro nas portas e painel de acordo com a versão. 

Tecnologia 

O Chevrolet Cruze chegou precificado na média dos rivais mais caros, mas compensou isso entregando um bom nível de equipamentos, mesmo na versão mais barata. Inclusive com direito a itens indisponíveis na boa maioria dos concorrentes diretos. A configuração de entrada já conta com, pelo menos, quatro airbags, controles de tração e estabilidade, trio elétrico e retrovisor interno fotocrômico. 

Já a versão mais cara, agrega mais dois airbags (totalizando seis), central multimídia com tela de 7 polegadas e navegação via GPS nativo, rebatimento elétrico dos retrovisores, chave presencial com partida por botão, bancos em couro cinza (que também se faz presente nas portas), entre outros. Há ainda um sistema de ajuste elétrico de altura dos faróis, fixação ISOFIX para cadeiras infantis e retrovisores externos com desembaçador. 

Principais pontos fortes 

Dirigibilidade:  

Apesar de não oferecer um sistema de suspensão mais refinado, o Chevrolet Cruze G1 é muito seguro e agradável de dirigir. O motor não esbanja desempenho, mas também não deixa a desejar e faz um bom trabalho com o restante do conjunto mecânico. 

Equipamentos:  

Itens que são triviais em sedans médios hoje não eram tão comuns quando o Cruze foi lançado. Quem gosta de carros mais equipados deve considerá-lo como uma opção de compra. 

Design:  

Os anos passaram e o Cruze G1 envelheceu muito bem. Estando devidamente conservado, dificilmente dá para dizer que já tem quase dez anos que foi lançado. 

Principais pontos fracos 

Manutenção: 

Carros mais recheados costumam ser mais caros de se cuidar e o Chevrolet Cruze G1, infelizmente, não é exceção. Além do motor que só foi utilizado por ele, seus índices de vendas nunca foram dos mais altos, o que também significa que sua manutenção não é das mais fáceis de se realizar devido à escassez de peças e de oficinas que saibam mexer no carro. 

Economia:  

O desempenho do Cruze fica na média da categoria, mas a economia de combustível tende a ser pior do que a de alguns rivais diretos. Um dos culpados é a caixa de câmbio, que podia ser melhor gerenciada pelo software. 

Revenda:  

Por não ter vendido tanto e ser um carro de manutenção mais alta, pode ser que a negociação desse modelo não seja tão fácil quanto a de um dos “queridinhos” da categoria. Vender carros como o Cruze pode exigir mais paciência do que o normal, então, o possível dono precisa se preparar para tal eventualidade. 

Principais concorrentes diretos 

Honda Civic 

Toyota Corolla 

Kia Cerato 

Fiat Linea 

Volkswagen Jetta 

Citroën C4 Pallas 

Peugeot 408 

Ford Focus Sedan 

Hyundai Elantra